Revista A Ana Maria Braga
Clique e assine a Revista A
Sa˙de e Bem Estar

Inimigo secreto

Pode acontecer de um distúrbio na tireoide passar despercebido durante um tempo. Mas, cedo ou tarde, uma pane nessa pequena e poderosa glândula mostra seus efeitos nem um pouco agradáveis

Chris Biltoveni
Foto: Marcos Alberti
À primeira vista, e para muitas pessoas, ter uma disfunção na tireoide não parece um problemão. Tremendo engano – e eu que o diga. Há alguns anos, senti que o ponteiro da balança começou a disparar, apesar de eu sempre ter controlado a alimentação e malhado bastante. Achei que pudesse ser apenas uma fase: talvez eu não estivesse me empenhando direito na ginástica ou andava abusando do chocolate... Mas, de repente, o incômodo ganhou proporções maiores: comecei a sentir um tremendo desânimo, passava o dia inteiro com sono, lenta e deprimida.

Ao procurar um médico, o diagnóstico: hipotireoidismo. Desde então, tomo medicamento para controlar o problema, mas basta um descuido com o remédio que já começo a ficar cansada. “É uma doença que precisa ser tratada com seriedade. A glândula tireoide é essencial para o comando do metabolismo, atuando em praticamente todos os órgãos e tecidos”, diz Geraldo Medeiros, presidente do Instituto da Tireoide, em São Paulo (SP).

Hipo ou hiper?

Quando a glândula está desregulada e fabrica os hormônios em quantidade insuficiente, ocorre o hipotireoidismo. “O corpo passa a funcionar de maneira mais lenta e o metabolismo desacelera. Então, aparecem cansaço, fraqueza, desânimo e aumento de peso”, revela o endocrinologista Tércio Rocha, especialista em emagrecimento do Rio de Janeiro (RJ). Um dos principais motivos dessa alteração é a tireoidite de Hashimoto, uma doença autoimune que gera a destruição da glândula. “O próprio organismo começa a produzir anticorpos que atacam a tireoide, destruindo-a”, fala a endocrinologista Maria Edna de Melo, da ABESO (Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e da Síndrome Metabólica). Os especialistas apontam principalmente a herança genética como causa para o aparecimento do problema.

Se a glândula produz os hormônios em excesso, acontece o contrário: tudo no organismo funciona rápido demais. É o chamado hipertireoidismo, que provoca irritabilidade, aceleração dos batimentos cardíacos, insônia e perda de peso. “Aqui, a causa mais comum é a doença de Graves, em que anticorpos estimulam a produção excessiva dos hormônios”, diz Maria Edna. “É nesses casos que aparece o bócio difuso, um aumento generalizado da glândula”, relata a endocrinologista Laura Ward, presidente do Departamento de Tireoide da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia. Mas outros fatores podem levar ao distúrbio. “Às vezes, algumas células se agrupam em um nódulo e funcionam de forma autônoma, gerando a superprodução dos hormônios”, completa Maria Edna.

As causas para o aumento no número de problemas na tireóide ainda são desconhecidas, mas o maior aparecimento da doença no sexo feminino – ocorrem de cinco a oito vezes mais frequentemente – dá algumas pistas. “Não existe comprovação, mas o uso de hormônios sexuais, número de gravidezes e reposição hormonal são possíveis causadores”, diz Laura. E tem o estresse, o vilão mais claro: ele comprovadamente desencadeia doenças autoimunes. Os casos de hipertireoidismo são bem menos comuns – entre as mulheres, apenas cerca de 3% têm a doença.

De olho no diagnóstico

Para acusar uma tireoide de lenta ou agitada é preciso ter provas. A primeira delas é colhida no sangue: uma dosagem dos hormônios TSH e T4 tem o objetivo de avaliar a função glandular. Outra medida importante é fazer o exame clínico. Se o médico suspeitar da existência de nódulos, pede um ultrassom para apurar. Foi o que aconteceu com a funcionária pública Denise Garcia, 42 anos, de São Paulo. “O exame de sangue não acusou nada, mas fiz o ultrassom e foram detectados nódulos”, lembra. Denise realizou uma punção e descobriu que estava com câncer. “Fiz a cirurgia de retirada da tireóide em junho de 2009. Hoje estou curada da doença, mas sofro com os efeitos colaterais. É a fase 2 do problema. O corpo precisa se adaptar ao hormônio sintético. Enquanto isso não ocorre, vivo em crise de energia. Tem dias que não funciono.”

De acordo com Flávio Hojaij, diretor científico da Sociedade Brasileira de Cirurgia de Cabeça e Pescoço, o risco de um nódulo ser maligno é pequeno, mas, existe sim: “Se eu fizer ultrassom de tireoide em 100 pessoas, 60 vão apresentar alguma alteração na textura da glândula. Isso não quer dizer que vão desenvolver câncer.” Ele ressalta a importância de uma investigação mais profunda se o nódulo for sólido ou muito grande. “Em caso de malignidade, o tratamento cirúrgico é bastante eficaz e o risco de sequelas é pequeno”, garante. Entre as possíveis conseqüências estão a mudança da voz, pelo risco de o cirurgião manusear os nervos da laringe durante a operação, e a alteração nos níveis de cálcio no sangue, por conta da manipulação das glândulas paratireoides, que ficam ao lado da tireoide.
Foto: Marcos Alberti
Em busca do equilíbrio

Quanto antes for realizado o diagnóstico, melhor – mesmo porque o tratamento, às vezes, não surte efeito de uma hora para outra. Um dos motivos está na dificuldade de encontrar a dose ideal do hormônio a ser reposto. “Descobri faz dois anos que tinha hipotireoidismo, mas só há quatro meses consegui estabilizar o quadro. Comecei com um comprimido de 50 mcg, passei para 75, em seguida 88, depois diminuí... Essa oscilação é terrível, porque quando você pensa que está bem, tem que mudar a dose do medicamento de novo”, conta a economista Simone Silva, 31 anos, do Rio de Janeiro. Um estudo feito por pesquisadores britânicos constatou que cerca de 45% dos portadores de hipotireoidismo não tomam a dose ideal do remédio, recebendo hormônio em excesso ou em dose insuficiente. “Aprendi que é preciso ficar constantemente de olho e fazer exames de tempos em tempos para manter a doença sob controle”, admite Simone.

Fazer uma dosagem nos hormônios regularmente é mesmo imprescindível para evitar que o distúrbio leve a problemas mais sérios. Se você não se tratar corretamente, o quadro clínico vai piorando e as conseqüências podem ser graves. No caso de hipotireoidismo, costumam surgir complicações como aumento de colesterol, hipertensão arterial, insuficiência cardíaca e até envelhecimento precoce. Já quem tem a tireoide acelerada pode apresentar arritmia cardíaca, palpitações e falta de ar.

Tratamento eficaz

No hipotireoidismo, é preciso repor o hormônio que a glândula não produz corretamente por meio de um medicamento chamado levotiroxina, uma versão sintética do hormônio T4. “Dentro do organismo, por meio da ação de enzimas, ele é transformado em T3 para agir nas células de todo o corpo, acelerando sua atividade”, declara Tércio Rocha. A maior parte dos especialistas recomenda que você tome um comprimido, cuja dose varia de acordo com a necessidade da substância no seu organismo, logo pela manhã, em jejum. Mas, segundo Geraldo Medeiros, a medicação pode ser eficiente à noite, antes de dormir, especialmente quando a paciente apresentar variações constantes na dosagem de TSH: “Às vezes, você acerta a dose de T4, mas a de TSH oscila muito. Então, como o TSH é produzido pela hipófise no período noturno, ingerir o remédio nesse horário é uma forma de inibir melhor a liberação desse hormônio”.

Por outro lado, o hipertireoidismo é contra-atacado com uma terapia à base de iodo radioativo, que destrói a tireoide, ou com drogas que bloqueiam a liberação desmedida de hormônios. “O iodo vale mais a pena em termo de custo-benefício, mas o remédio funciona bem e, em alguns casos, é a primeira indicação”, aponta Laura Ward. A jornalista Cristiana Barreto, 41 anos, optou pelo uso de medicamento para controlar o problema. “Há 17 anos, descobri um nódulo na tireoide que estava produzindo hormônios além da conta. Tinha taquicardia e passava o dia inteiro irritada, como se estivesse o tempo todo na TPM. Fiz cirurgia para retirada e, desde então, tomo remédio diariamente e minha vida voltou ao normal”, diz. É isso mesmo: apesar de os tratamentos exigirem paciência, a boa notícia é que eles permitem que a tireoide entre na linha. “Com a dose correta do medicamento, tudo fica bem”, tranquiliza Geraldo Medeiros. Ou seja: uma vez sob controle, a glândula deixa de causar transtornos e embarca o seu corpo inteiro rumo ao equilíbrio.

Autoexame é fundamental

O mesmo método simples que a gente costuma usar para prevenir o câncer de mama vai ajudá-la a detectar a existência de nódulos na tireoide. Você só precisa de um copo de água, um espelho e um pouco de atenção. Confira!

*De frente para o espelho, localize com os dedos onde fica a tireoide – logo abaixo do pomo-de-adão, saliência que conhecemos como gogó.

*Beba um gole de água. Enquanto você engole, a glândula vai subir e descer, movendo-se para cima e para baixo.

*Perceba o movimento com os dedos e observe se dá para notar algum inchaço ou caroço. Se sentir que há qualquer alteração, procure um endocrinologista.

 
Conheça outras edições do Grupo Estilo
Loja da Ana
© 2012 Site Revista A - Ana Maria Braga • Duetto Editorial • Todos os direitos o reservados.
Site desenvolvido por Departamento Multimídia • Duetto Editorial.