Revista A Ana Maria Braga
Clique e assine a Revista A
Sa˙de e Bem Estar

Dor nas costas

Aquele desconforto chato que insiste em aparecer no final do dia não precisa morar com você. Saiba como mandar a dor nas costas para bem longe da sua vida

Rose Mercatelli
Foto: Shutterstock
Pode ser apenas um problema eventual depois de dormir de mau jeito ou até se tornar crônica, aparecendo todos os dias e te deixando com um mau humor do tamanho do mundo. E ela é tão comum que você pode acabar se acostumando a conviver; mas não deveria. É bom prestar atenção, mesmo que a enjoada não seja forte.

A chamada lombalgia, que pega a região mais baixa das costas, acima do bumbum, é a que mais aparece – segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), atinge 80% da população mundial. Já a vice-campeã das queixas nos consultórios médicos é a dor no pescoço, ou cervicalgia. Mas o número de pessoas que sofrem com ela (cerca de 5%) tende a crescer dia a dia, resultado das horas e horas a fio que a gente vem passando em frente ao computador e do nosso velho amigo, o estresse. Isso porque os músculos localizados atrás do pescoço normalmente já ficam tensos para manter a cabeça no lugar e enrijecem ainda mais quando estamos estressadas. O resultado é a cervicalgia, que pode se irradiar para os ombros e provocar também dores de cabeça. Portanto, é bom não descuidar. Quanto mais cedo você procurar um médico, melhor. Não espere mais que duas semanas para buscar ajuda para a sua dor no pescoço, ou, no máximo, um mês se for o caso de uma lombalgia. “Depois desses prazos, tanto uma quanto outra tornam-se dores crônicas, o que deixa tudo mais complicado para ser resolvido”, explica o reumatologista Jamil Namour, professor da Faculdade de Medicina da Universidade Federal de São Paulo (SP).

Sobrecarga frequente

A coluna vertebral é tida como a grande vilã da história. Mas nem sempre isso é verdade. “Uma lombalgia associada a sintomas como febre e emagrecimento sem motivo pode ser sinal de problemas maiores, como cálculos renais, distúrbios neurológicos e ginecológicos e tumores”, alerta o reumatologista. “A boa notícia é que, quando não há nenhum problema mais sério, as dores nas costas ou no pescoço, em geral, são causadas por posturas incorretas, que castigam a coluna e os músculos que a sustentam 24 horas por dia”, explica a fisioterapeuta Patrícia Rios Poletto, professora da Faculdade de Fisioterapia da Universidade Federal de São Paulo.

Só depende de você acabar com as dores. Acompanhe orientações da especialista para manter-se bem longe do problema. Se você trabalha sentada, coloque os dois pés no chão e mantenha sempre as costas apoiadas no encosto da cadeira. Os antebraços devem descansar nos braços da cadeira ou na mesa. Mesmo que você se sente de forma correta, levante-se para tomar água e dar uma volta a cada hora. Ou seus músculos, no fim do dia, estarão implorando por um descanso. Quando tiver de carregar peso, divida-o entre as duas mãos. As sacolas de supermercado, por exemplo, carregue apenas duas por vez, ainda que precise ir e voltar mais vezes até o carro. A dica também vale para proteger seu pescoço: nunca carregue a mochila ou bolsa pesada de um lado só.

Ao pegar algo do chão (pode ser até um lenço de papel), o melhor jeito é dobrar o joelho e abaixar-se. Importante: contraia os músculos abdominais durante os movimentos de subida e descida para dar maior estabilidade à coluna. O hábito de ler ou assistir televisão na cama ou “enterrada” no sofá é outro vilão para as dores no pescoço. Para evitar o incômodo, providencie um encosto, como um travesseiro triangular ou uma minimesa portátil para o livro. Se tiver televisão no quarto, coloque o aparelho no alto para não forçar o pescoço por muito tempo. Dormir com o travesseiro muito alto ou baixo demais é outro sacrifício para a região cervical. Procure usar um modelo na altura correta, que deixe sua cabeça alinhada com a coluna.

Relax em 5 passos

Depois de um dia inteiro de trabalho, você pode dar uma mãozinha aos seus músculos e ajudá-los a relaxar. A orientação é da fisioterapeuta Patrícia Rios Poletto.

*Deite-se no chão ou na cama (se o seu colchão for firme).

*Apoie os pés na superfície.

*Dobre uma das pernas e abrace o joelho por 30 segundos, mantendo a cabeça apoiada na superfície.

*Volte à posição inicial e repita o movimento com a outra perna.

*Por fim, abrace os dois joelhos ao mesmo tempo, enquanto coloca o queixo encostado no peito. Permaneça nessa posição por 30 segundos. Repita o exercício de três a cinco vezes.
Conheça outras edições do Grupo Estilo
Loja da Ana
© 2012 Site Revista A - Ana Maria Braga • Duetto Editorial • Todos os direitos o reservados.
Site desenvolvido por Departamento Multimídia • Duetto Editorial.