Revista A Ana Maria Braga
Clique e assine a Revista A
Comportamento

O encanto da Sereia

Menina? Mulher? Isis Valverde não é só uma. Esta mineirinha que está completando 26 anos cresceu aos olhos do público, que viu despontar uma mulher cheia de sensualidade. Mas a timidez e o olhar puro continuam ali

Ana Maria Braga
Foto: Marcos Pinto / Produção: André Corga
A: Fiz uma conta de todos os homens bonitos que você namorou e é um desfile. Como funciona? Você é escolhida ou escolhe?

Isis: Eu escolho mais. Se bem que é recíproco, os dois têm que gostar. Tem que bater a empatia.

A: Você se acha namoradeira?

Isis: Não, me acho até quieta, porque as minhas amigas preferem não namorar e assim ficar com várias pessoas. Eu não consigo, gosto de escolher alguém para estar comigo, sair, viajar, jantar, uma pessoa com quem eu tenha liberdade. Não sou como a Suélen, que importava só o ato de pegar o cara, de sexo e tchau. Não que eu critique isso, não julgo, mas a Isis não se sente bem fazendo isso. Então prefiro namorar. E eu comecei a carreira muito cedo, com 17 anos, eu ainda era virgem. Quando comecei a namorar com 19 pra 20 anos....

A: Você só começou a namorar com 19 anos?

Isis: Só, porque eu não estava pronta. Minha mãe falava que quando eu estivesse pronta eu saberia. E um dia eu senti.

A: Com quem foi?

Isis: Não posso falar. É segredo.

A: Ai, segredo. Deve ser mineiro…

Isis: (risos) Aí foi e foi ótimo, foi um relacionamento bem bacana porque ele era mais velho. Foi uma experiência ótima de relacionamento, nem estou falando de sexo. Ele me ensinou muita coisa. Então acho que foi isso: eu comecei a minha vida amorosa já sendo famosa, fazendo minha segunda novela.

A: Ah, você fez a Sinhá Moça e era Sinhá Moça mesmo...

Isis: É, os meninos ficavam me zoando, você não tem noção do que eu passei. O Bruno (Gagliasso) me zoava muito. Porque eles descobriram, né? Eu era muito tímida, não gostava de falar sobre isso e eles foram descobrindo.

A: Você era não, né? Você ainda é tímida.

Isis: Você acha mesmo? As cenas de sexo em O Canto da Sereia eram novidade pra mim. Eu tinha feito Faroeste Caboclo, que vai estrear em 30 de maio, que tinha cenas de nudez, mas não foram cenas em que eu fiquei totalmente nua. Na Sereia fiquei nua mesmo, eu tinha a proteção do personagem, mas era meu corpo. Todo mundo foi supersensível, foi tudo feito no meu tempo pra eu me sentir à vontade. Nas primeiras cenas parecia que eu estava tentando me esconder, então tive que fazer de novo. Daí tentei me imaginar no banheiro da minha casa, tranquila, aí foi ficando natural e rolou.

A: De Sinhá Moça até hoje, qual personagem você acha que chegou mais perto do que você é?

Isis: Acho que a Marcela (Ti-ti-ti), que era mineira, e tinha muito de mim. Não tinha o jeito de vestir e era mais séria, mais contida. Eu sou palhaçona. Mas a falta de paciência era muito minha e ela tinha aquele jeito agitado de falar. Sem contar o sotaque mineiro, que eu não precisava fazer força nenhuma.

A: E o seu namorado atual, que você não levou ao Caribe?

Isis: Não é que eu não levei, é que ele é músico e está trabalhando no CD agora. E eu estava muito cansada, fui para uma praia sem ninguém. Era acordar, ir pra praia, ler meu livro. Acabei Maçã no Escuro, da Clarice Lispector. Eu tinha começado a ler no início de Avenida Brasil. Só terminei agora por falta de tempo.

A: O que você gosta de ler?

Isis: Gosto de ler livros que falem da alma humana. Agora comecei a ler 50 Tons de Cinza porque falaram que eu tinha que ler. E um outro: Como Você se Torna Quem Você É. Gosto de autoconhecimento. Para um ator isso é fundamental, porque você constrói outras almas. Se você não entender a alma humana de alguma maneira, não consegue atuar.

A: Quando você está em um relacionamento sério como agora, como fica seu anseio para ser mãe?

Isis: Tem o tal do relógio biológico mesmo, né? É uma loucura. Eu vejo criança e fico pirada. Quero muito ter filho. Todo mundo fala que criança chora, grita, mas a gente pensa só naquela carinha linda te olhando.

A: Seu namorado é muito bonito e combina com você. Vocês estão juntos há dois anos. Em algum momento vocês falaram “então vamos”?

Isis: Não, ele ainda está fazendo a carreira dele. Tem uma vontadezinha minha de ter filho, sim, mas não posso passar o carro na frente dos bois, só se Ele (Deus) desejar em algum momento. Porque sei de amiga minha que engravidou tomando pílula. Só se for assim. Mas a gente se gosta muito, sabe que quer ficar junto e vamos esperar pra ver, daqui a alguns anos.

A: Por que você acha que os seus relacionamentos anteriores terminaram?

Isis: Acho que um pouco por falta de maturidade, um pouco de momento errado e da pessoa errada. Depois que encontrei uma pessoa que é muito parecida comigo, descobri que não foi por falta de vivência, por pouca idade, acho que foi porque eu não tinha encontrado a pessoa pra ficar do meu lado.

A: E ele não tem ciúmes desse mulherão todo?

Isis: Ele fica todo feliz, orgulhoso, diz “É a minha mulher!”.

A: Depois da Sereia vem o carnaval, né? Você vai desfilar?

Isis: Não, eu não consigo, Ana. Acho lindo, mas acho que no primeiro passo que eu der com aquele saltão, eu caio no chão. Uma vez roubei uma camiseta do dono da Grande Rio, cortei e entrei na avenida, no chão, de tênis, mas só assim. Já recebi alguns convites, alguns bem tentadores, mas eu acho que tanta gente faria bem melhor que eu. Gosto de dançar, mas à toa, na minha. Quando fiz a Raqueli (Beleza Pura), eu tive que entrar no Caldeirão do Huck com a plateia real dele, com um short branco mícro e uma blusinha. Fiquei muito nervosa, achei que não fosse conseguir, mas consegui, com a força da camareira, a Diva.

A: Mas o que é, é timidez?

Isis: Acho que é, eu não sei. Sei que vou ficar tensa, vai atrapalhar meu carnaval, vou ficar com vontade de chorar. Vou ficar preocupada com barriga, com gordura.

A: Onde? Que sacanagem!

Isis: Não, você tá de bobeira? É muita neurose.

A: Pra onde você vai no carnaval?

Isis: Vou pra uma casa com a minha prima que não vejo há muito tempo ficar fazendo stand up paddle no rio que passa em volta da casa. Só no meio do mato. Preciso relaxar.
A: E os planos pra 2013?

Isis: Vou fazer cinema no meio do ano. Ainda não posso falar sobre o filme, mas é uma coisa muito nova pra mim. E em maio estreia Faroeste Caboclo, até que enfim. É a história da música do Renato Russo. Eu vivo Maria Lúcia.

A: E o teatro?

Isis: Fiz quando eu era pequena. Vou fazer se alguma peça me pegar. Não sou tão rigorosa pra fazer campanha publicitária, por exemplo. Se acredito no produto, faço a campanha. Agora, com a minha carreira de atriz sou exigente, perfeccionista, me critico muito. Sempre acho que tem alguma coisa para melhorar. Aconteceu isso com o canto na microssérie. Eu gravei umas 15 vezes. Primeiro eu gravei, daí achamos que não ia dar certo, eu não estava segura. Daí pusemos uma cantora para eu dublar. Quando fui para o trio com um professor de canto de cantoras de axé, veio uma voz que ninguém entendeu de onde vinha. Minha voz é muito fina e veio aquele vozeirão de repente. Voltei para o Rio, trouxe o professor de canto, e rolou. Sou muito exigente comigo. E só escolho os trabalhos que eu acredito, que eu vá dar conta e que eu ame. Quero fazer diferente do jeito que todo mundo faz. Senão, eu não vou. Tem que ter tesão no que você vai fazer.

A: Você é filha única, mas foge do estereótipo de menina mimada.

Isis: Eu falo que sou mimada, mas não sou mal-educada. Fui muito mimada pela minha mãe. Meu pai também me mimava, mas ele dava limite. Quando quis ir embora para ser atriz ele deu uma cortada na grana. Minha mãe era mais mole.

A: Na altura de seus quase 26 anos, o que você diria para as meninas que estão com seus 15, 16 anos e te veem como modelo?

Depende se o sonho é de ser famosa ou de ser atriz. Muita gente me pergunta sobre a fama, sobre a Globo, não pensa na profissãoem si. Ficopensando no que vou responder, se eu vou frustrar a pessoa. Se você deseja só a fama, é uma coisa muito vazia e é a causa de sofrimento para várias pessoas. A fama traz muita coisa ruim, ela é amiga da onça. Tem que saber lidar muito bem, porque uma hora ela pode puxar seu tapete e se você não estiver alerta, cai junto. Falo que se você quer ser só famosa, você vai se frustrar muito. É fútil, vazio, egocêntrico.

A: As pessoas têm uma imagem da atriz de sucesso, que nem sempre é a realidade. Mas os últimos papéis que você fez foram de mulherões, né?

Isis: Eu fui ficando mulher trabalhando na TV, isso é muito doido. Comecei com 17 anos magrelinha, menininha, de repente você tem filho na novela, depois é uma gostosa, depois uma mulher que tem uma profissão e é respeitada por isso. Eu fui vendo minha mudança física, minha mudança de trabalho, tudo. E vi minha mudança na rua, nas festas. Os homens se interessam, claro, mas não senti muito assédio, não. Muitos até falam “olha só como a TV mente. Olha que magrela. Ela bate no meu ombro, cara”. Já ouvi milhões de coisas.

A: E você está feliz?

Isis: Estou, muito.

A: Deixa eu contar aqui que a Isis acaba de adquirir uma irmã da Sombrinha pra fazer parte da família de cachorros dela. São quantos?

Isis: São três: Aba, Tiva e Vitória. E essa vai chamar Sombra.

A: Queria muito te agradecer por esse papo sincero. Foi uma delícia poder te conhecer um pouco mais.
Conheça outras edições do Grupo Estilo
Loja da Ana
© 2012 Site Revista A - Ana Maria Braga • Duetto Editorial • Todos os direitos o reservados.
Site desenvolvido por Departamento Multimídia • Duetto Editorial.