Revista A Ana Maria Braga
Clique e assine a Revista A
Casa

Achados e perdidos

Canetas, chaves, carregador de celular... Esses e outros objetos parecem ter perninhas e andar pelos cômodos. Nunca estão onde a gente deixou, ou imagina ter deixado, na hora em que mais precisamos. Pois agora você vai descobrir como acabar com o estresse causado pelo sumiço

Annamaria Aglio
Shutterstock
Quer saber por que as coisas somem dentro de casa? “A resposta é simples: porque não temos um lugar apropriado para elas”, diz a personal organizer Cristina Papazian, de São Paulo (SP). “É irritante ficar procurando o que a gente costuma usar no dia a dia. Mas o grande segredo para evitar uma crise de nervos é deixar o necessário sempre à mão. Por mais óbvio que seja, se pensarmos bem, perceberemos que os objetos estão guardados nos cômodos errados, onde não são usados”, considera a expertem arrumação. Aseguir, listamos boas ideias para incorporar à rotina e manter tudo no seu devido lugar.

Perdidos na ilha

Canetas lideram a lista de desaparecidos. Veja o exemplo de Cristina Papazian para evitar a migração das esferográficas: “Eu as deixo com bloquinhos de anotação dentro de uma caixa de madeira com detalhe de marchetaria, na ilha de trabalho, ao lado do computador e do telefone”. Se você preferir, pode deixar a caneta e o bloco à vista. Mas têm que ser lindos e chamar a atenção, porque se forem muito comuns, não damos importância, e aí eles somem mesmo.

 Chave do mistério

Chaves estão em segundo no rol de sumidos. Para que  nunca mais desapareçam, experimente fixar uma barra imantada próximo à entrada. Entrou em casa, é encostar as chaves nela e pronto! Outras opções: um porta-chaves transado, uma bandeja bonita (que pode servir ainda para acomodar a correspondência, os óculos etc.) ou até um cachepô bacana podem guardar as benditas.

Linhas cruzadas

Aparelho celular e carregador também costumam se perder pela casa. Onde acomodá-los para facilitar nossa vida? “Uma caixa pequena, ou feita sob medida, ou ainda um cesto de palha pode guardar ambos, desde que seja exclusivo para esse fim. O carregador pode ainda ficar preso à tomada. Fique tranquila: não haverá consumo maior de energia, pois o telefone não estará conectado. E deixe tudo perto da cabeceira da cama, que é onde você vai usá-los”, ensina Cristina Papazian.

Luz no fim do quadro

Lanterna, velas e fósforos. Quem nunca viveu um apagão e saiu tropeçando na busca pela luz? Evite acidentes e mau humor com esta dica: tenha uma lanterna dentro do criado-mudo, ao lado da cama – a energia elétrica sempre acaba quando a gente já deitou, não? Mantenha outra dentro do quadro de luz. Prefere velas? Deixe-as junto com uma caixa de fósforos no mesmo local, desde que fora do alcance das crianças.

Consertos da hora

Botões (inclusive aqueles que acompanham as roupas novas), linhas e agulhas ficam no kit de costura. E este, por sua vez, fica circulando pela casa! A sugestão é guardar o arsenal em uma caixa ou latinha fofa, dentro do armário. Se estiverem à mão, a gente faz os reparos sem demora nem estresse. Deixe botões & cia de homens e mulheres devidamente separados. Quando misturados, as chances de desistir do remendo são maiores.

Mãos na tesoura

Tesouras são um caso à parte. Se jogadas dentro de gavetas, tendem a se perder no meio da multidão de talheres e outros objetos. Para acabar com isso, o truque de mestre é comprar ganchinhos dupla-face e fixá-los dentro do armário da cozinha ou do gabinete do banheiro, dependendo do seu uso. “A tesoura fica pendurada e, mentalmente, guardamos sua imagem”, esclarece Cristina.

Bolsa de valores

As bolsas costumam circular por aí. A gente tem várias delas, mas dificilmente trocamos de modelo diariamente. Vale a pena, então, reservar um espaço vip para a que estiverem uso. Umpufe, um banquinho estofado ou uma mesinha perto do armário são perfeitos. “A bolsa deve ficar pousada. Um gancho pode ser usado se ela for levinha, evitando vincos e que a alça arrebente”, avisa.

As joias da casa

Cola de bijuterias, argolinhas e alicate podem não ser usados com tanta frequência, mas que somem e fazem uma falta... Em lugar de fácil acesso, impedem que tiremos de circulação aquela gargantilha favorita cuja pedrinha descolou. Por isso, monte uma maleta ou nécessaire de primeiros socorros. O importante é que fiquem perto dos acessórios, para garantir reparo imediato.

Vida de engraxate

Flanela, graxa de diferentes cores, escovinha, calçadeira e desodorante para tênis. Você sabe onde esse arsenal está? Talvez na área de serviço, ou... Bom, a recomendação é que todos os itens relacionados aos calçados fiquem junto deles, arrumadinhos dentro de uma maleta ou caixa.
Conheça outras edições do Grupo Estilo
Loja da Ana
© 2012 Site Revista A - Ana Maria Braga • Duetto Editorial • Todos os direitos o reservados.
Site desenvolvido por Departamento Multimídia • Duetto Editorial.